A duplicação de toda a extensão do Campo de Perizes

A duplicação de toda a extensão do Campo de Perizes.

A duplicação de toda a extensão do Campo de Perizes, trecho mais perigoso da BR-135 em território maranhense, onde já ocorreram inúmeros acidentes trágicos, com incontáveis mortes. A nova configuração da rodovia federal nos 19 quilômetros entre as duas pontes sobre o Estreito dos Mosquitos e o povoado Peris de Baixo, no município de Bacabeira, eliminou o risco de colisão frontal, o mais letal dos desastres automobilísticos, registrado com assustadora frequência nas quase cinco décadas em que a divisão de pista se deu apenas por marcação no asfalto.

A construção de um canteiro central no Campo de Perizes faz parte de um projeto maior, a primeira fase da duplicação da BR-135, em uma extensão de 26,5 quilômetros entre Estiva e Bacabeira. Com a execução do projeto, os dois sentidos de tráfego estão devidamente protegidos entre si, diferente da realidade de outrora, em que veículos em direções opostas raspavam uns nos outros, quase sempre em velocidade excessiva.

Devido à circulação permanente de veículos pesados no Campo de Perizes, a probabilidade de acidente na pista não duplicada sempre foi alta. Os números jamais desmentiram a tendência do trecho de ser palco de tragédias.

Para alívio dos viajantes e de toda a população, o Campo de Perizes já não é mais o mesmo. Se por muito tempo, trafegar em seu traçado foi sinônimo de medo e sobressalto, hoje, tem-se o alento, finalmente. Uma conquista justa, merecida e, acima de tudo, necessária à mobilidade, que deve ser um benefício, não uma ameaça à vida.

 

Editorial publicado nesta quinta-feira em O Estado do Maranhão.

Acolhidos dos abrigos da Prefeitura de São Luís participam de ceia de Natal

Voluntários da Cemar oferecem ceia de Natal aos abrigadosA solidariedade tornou o Natal dos acolhidos dos abrigos da Prefeitura de São Luís ainda mais especial. Cerca de 40 pessoas que moram nas Unidades de Acolhimento Institucionais Residência Inclusiva e Casa de Acolhida Temporária participaram, nesta terça-feira (19), na Residência Inclusiva, de uma ceia Natalina. A ação foi possível graças à parceria entre o poder público municipal por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) e a Companhia Energética do Maranhão S.A (Cemar).

Brincadeiras e música animaram os acolhidos, que aproveitaram para sair um pouco da rotina. A secretária da Semcas, Andréia Launde destaca a importância de parcerias que contribuam para ampliar e qualificar ainda mais o atendimento a esse público. “Nós temos buscado diversas instituições capazes de nos auxiliar a desenvolver ações para o público atendido pela Assistência Social. É o segundo ano que a Cemar realiza um momento diferenciado. Além disso, este dia é especial para essas pessoas que guardarão nas suas memórias o que vivenciaram aqui. Nós louvamos esse tipo de iniciativa e esperamos outras atuações similares”, disse Andreia Launde.

As duas unidades – Acolhimento Institucionais Residência Inclusiva e Casa de Acolhida Temporária – trabalham na perspectiva da reinserção familiar ou comunitária. Os acolhidos são inseridos nos benefícios socioassistenciais, de acordo com suas necessidades como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), aluguel social, cestas básicas etc. Também são encaminhados o para o atendimento das demais políticas publicas como educação e saúde. Os acolhidos contam, ainda, com apoio de orientadores sociais e pedagogos que diariamente desenvolvem atividades laborais que proporcionem aprendizado, interação e socialização entre eles.

SOCIAL

De acordo com a analista de Responsabilidade Social da Cemar, Jeane Pires, a companhia possui diversas iniciativas no programa de voluntariado. “Queríamos oportunizar ao nosso colaborador a presença em um ambiente onde as pessoas precisam de um cuidado e olhar diferenciado. A ceia do Natal é muito simbólica, então quisemos proporcionar algo similar ao que realizamos nas nossas casas. Mesmo sem a presença da família e vivendo em outro espaço, consideramos que seria um momento especial pra eles”, explicou.

Sobre sua experiência na unidade de acolhimento e ida ao jantar, Solange Lima, 48 anos, que reside atualmente na Casa de Acolhida Temporária, disse que está sendo fantástica. “Eu não vivi esse momento nem quando eu tive minha vida fora do abrigo. Está sendo maravilhosa essa participação aqui hoje, muito bacana mesmo. Também estou aprendendo a conviver com pessoas diferentes”, afirmou.

As comemorações do Natal também se estenderam às demais Unidades de Acolhimento como a Casa de Passagem (que acolhe crianças) e ao abrigo para pessoa em situação de rua.

ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E FAMILIAR

O Abrigo Institucional Residência Inclusiva é voltado para pessoa com deficiência. Nele residem 10 pessoas. Além desse, a Semcas mantém mais quatro Unidades de Acolhimento por meio da execução direta, são eles: Casa de Acolhida Temporária, voltada para acolhimento de famílias e adultos; o Abrigo Luz e Vida que acolhe adolescentes; a Casa de Passagem direcionada a crianças de 0 a 12 anos e o Abrigo Institucional para população em situação de rua do sexo masculino.

A Semcas possui também convênio com duas instituições para execução indireta: Grupo Solidariedade é Vida e Servos da Divina Providência\Lar Calábria, esta última executando o acolhimento em quatro Casas Lares. No total, a Semcas proporciona cerca de 360 vagas entre acolhimento institucional e familiar.

A Prefeitura possui ainda, o serviço de Família Acolhedora, que é uma modalidade de atendimento inserida no Plano Municipal de Acolhimento Institucional e Familiar para Crianças e Adolescentes da capital, com o objetivo de proporcionar às crianças e adolescentes vítimas de violação de direitos o acolhimento temporário por famílias cadastradas no serviço.

 

Negado habeas corpus a Lúcio André

Lúcio André acusado de agredir sua ex-esposa encontra-se foragido.

Saiu a decisão da segunda tentativa do irmão do prefeito de Pinheiro Luciano Genésio, Lúcio Genésio, de se livrar da prisão após agredir a ex-esposa, a advogada Ludmila Rosa Ribeiro da Silva. O crime aconteceu no dia 12 de novembro. E o acusado está há mais de um mês foragido.

O desembargador Raimundo Melo negou o pedido de habeas corpus em favor do empresário. Esse foi o segundo pedido de revogação da detenção protocolado pela defesa de Genésio. Ele é reincidente em agressão a mesma pessoa e possui dois mandatos de prisão preventiva.

O secretário de segurança Jefferson Portela anunciou que espalharia cartazes por todo o Brasil para encontrar o agressor.

Via Clodoaldo Correa

Empresas têm que pagar segunda parcela do décimo terceiro salário até esta quarta-feira (20)

Resultado de imagem para 13° salarioAté esta quarta-feira é o prazo final para empregadores pagarem a segunda parcela do décimo terceiro salário aos trabalhadores. O benefício deve ser pago a 48,1 milhões de trabalhadores em todo o país. Vale lembrar que nessa segunda parte, assim como em um salário normal, há uma série de descontos, como INSS, o Imposto de Renda (IR) e o adiantamento da primeira parcela.

Tem direito a receber essa gratificação natalina todo trabalhador com carteira assinada: trabalhadores domésticos, rurais, urbanos ou avulsos. A partir de 15 dias de serviço, o empregado já passa a ter direito a receber o benefício.

Esse salário extra dos trabalhadores das empresas privadas vai injetar na economia brasileira R$ 132,7 bilhões. Somado ao que é pago aos aposentados e pensionistas da Previdência Social, o valor deve chegar a R$ 200 bilhões, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

O Ministério do Trabalho alerta que o trabalhador também terá direito a receber a gratificação quando há extinção do contrato de trabalho, seja por prazo determinado, por pedido de dispensa pelo empregado ou por dispensa do empregador, mesmo ocorrendo antes do mês de dezembro. Só não tem direito ao 13º o empregado dispensado por justa causa.

NÃO RECEBEU? VEJA O QUE FAZER

O pagamento da primeira parcela do décimo terceiro salário tinha que ter sido feito até o dia 30 de novembro. O trabalhador que não tiver recebido o benefício deve procurar as superintendências ou gerências regionais do Ministério do Trabalho para fazer a reclamação. Outra recomendação é buscar orientação no sindicato de sua categoria. Segundo o governo, a empresa que desrespeitar a lei pode ser autuada e receber uma multa por causa dessa infração legal.

 

Via- Agência O Globo

 

Mais de 1.800 estudantes da rede municipal são certificados em programa de combate às drogas

Autoridades e alunos durante solenidade de certificação do ProerdMais de 1.800 estudantes da rede pública de ensino de São Luís foram certificados nesta segunda-feira (18) pelo Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). A formatura aconteceu no Centro de Convenções da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no Itaqui-Bacanga e reuniu familiares dos alunos, professores, gestores escolares, instrutores do programa e policiais militares. O Proerd é uma parceria da Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), com o Governo do Estado via Secretaria de Segurança Pública e Polícia Militar do Maranhã (PMMA), e o Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar).

O professor Moacir Feitosa, titular da Semed, destacou a importância do programa para as escolas públicas da rede municipal. “A parceria que temos com a Polícia Militar e o Consórcio de Alumínio do Maranhão está promovendo hábitos de vida mais saudáveis entre os nossos estudantes, contribuindo para a prevenção da violência nas escolas e nas comunidades onde atuamos”, disse Moacir Feitosa.

O secretário explica que a parceria firmada este ano alcançou 1.866 estudantes de 34 Unidades de Educação Básica da zona rural da capital. “Esta é uma vitória de todos nós, e nos alegramos com isso, pois assim como a educação, a segurança também é ponto fundamental da gestão do prefeito Edivaldo”, assinalou o secretário.

O Proerd trabalha com crianças na faixa etária de 10 anos que estudam o 5º ano do Ensino Fundamental nas escolas municipais de São Luís. Renan Douglas Pereira Freire, da Educação Básica (U.E.B.) Padre João Mohana, no bairro São Raimundo, é um dos formandos do Proerd este ano. “Foi muito bom participar do programa. Aprendi que em algumas situações a droga chega a dominar a pessoa de tal forma, que pode até matar, e destruir a vida de outras pessoas. Quero distância das drogas”, declarou Renan.

A professora Annanda Layana Pereira da Silva, da U.E.B. João Mohana, acompanhou todas as aulas do Proerd, observando o comportamento e o desenvolvimento dos seus alunos. “O Proerd ensina, alerta e orienta as crianças de todas as formas, para que fujam das situações de violência e também que poderiam levá-las às drogas. É um programa que se soma ao nosso trabalho, pois, como professores, também alertamos os nossos alunos e orientamos para os riscos a que estão expostos”, observou a educadora.

A doméstica Marinilce de Jesus Soares, cuja filha Raissa Lorrany estuda o 5º ano na U.E.B. Amaral Raposo, prestigiou o evento e se declarou muito feliz com o aprendizado da filha e o seu desenvolvimento escolar. “Tenho sete filhos e, graças a Deus, nenhum deles enfrentou problemas com drogas, mas sei da destruição que elas podem causar na vida de uma pessoa. Que bom minha filha ter participado de um programa como esse para que ela tenha ainda mais convicção de se manter longe das drogas”, enfatizou.

A sargento Paula (Arilene de Paula Araújo), uma das instrutoras do Proerd, conta que trabalha há 15 anos no programa e que tem verdadeira paixão por ensinar crianças e adolescentes a se prevenirem. “Falamos sobre violência, drogas, amizades, escolhas e decisões que precisam ser tomadas e tudo mais que envolve a vida de crianças a adolescentes em comunidades carentes. Crianças são muito vulneráveis e precisam de orientação para tomarem a decisão certa. Já poderia ter me aposentado por tempo de serviço, mas escolhi continuar por conta deste programa, pois pra mim é gratificante”, destacou a sargento Paula.

Além do material didático do Proerd, o programa incluiu reuniões com as famílias, rodas de conversa, debates e a produção de textos feitos pelos estudantes. Os estudantes das melhores redações (66 ao todo) receberam uma medalha de honra, e os quatro melhores textos foram lidos pelos estudantes durante o evento de formatura. E, além das medalhas, as quatro melhores redações deram aos seus criadores/escritores, um tablet. Ao final, cada uma das 34 escolas participantes também recebeu um kit escolar de presente, com materiais pedagógicos.

PROGRAMA

O Proerd tem o objetivo de capacitar as crianças e adolescentes para tomar decisões à frente de situações que envolvam drogas ou violência. Para isso, o programa parte da concepção de que a integração entre a família e a escola e o empoderamento dos estudantes com informações são as principais formas de resistir.

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência é a adaptação brasileira do programa norte-americano Drug Abuse Resistence Education (Dare), surgido em 1983. Em inglês, a palavra “Dare” significa “Ousar”. No Brasil, o programa foi implantado em 1992 pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e hoje é adotado em todo o Brasil.

Na rede municipal, o foco são estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental. Participaram ainda da solenidade de formatura, o secretário municipal Breno Galdino (Segurança com Cidadania); o Comandante Geral da Polícia Militar do Maranhão, Coronel José Frederico Gomes Pereira; e o Diretor da Alumar, Helder Teixeira.

 

 

Sorteados do ‘Minha Casa, Minha Vida’ assinam contratos dos Residenciais Piancó I e II

Beneficiários assinam os contratos dos residenciais Piancó I e II; próxima fase é a entrega das chaves dos imóveisBeneficiários do programa ‘Minha Casa, Minha Vida’, do Governo Federal executado em parceria com a Prefeitura de São Luís, começaram a assinar, nesta segunda-feira (18) os contratos para recebimento das unidades residenciais dos empreendimentos Piancó I e II. A assinatura dos contratos, que se estende até esta terça-feira (19) na Central de Habitações (Avenida Castelo Branco, São Francisco, S/Nº), é a última etapa para a entrega das chaves dos imóveis. Serão entregues 448 apartamentos do empreendimento que está localizado na região Itaqui-Bacanga.

O secretário municipal de Urbanismo e Habitação, Mádison Leonardo Andrade, acompanhou a assinatura dos contratos. “Essa é a última etapa para a entrega dos imóveis que será realizada esta semana. Com esse trabalho, o prefeito Edivaldo está avançando no objetivo de reduzir o déficit habitacional e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de famílias ludovicenses”, disse o titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh).

Quem assinou o contrato na manhã desta segunda-feira (18), comemora a proximidade da realização do sonho da casa própria. A depiladora Marileide Diniz, 23 anos, reconhece a importância do programa. “Estou muito feliz. Esse é um programa muito bom. Atualmente, moro de aluguel, pois minha casa no Jambeiro alagou”, contou. A nova casa de Marileide é uma das 305 que foram destinadas para contemplar famílias que viviam em áreas de risco de bairros como Sá Viana, Jambeiro, Vila Embratel e Liberdade.

Os apartamentos dos residenciais Piancó têm seis ambientes sendo sala, dois quartos, banheiro, cozinha e área de serviço. O condomínio dispõe, ainda, de área de lazer e quadra esportiva. O projeto tem em sua infraestrutura ruas pavimentadas, abastecimento de água, drenagem pluvial e energia elétrica.

O casal Jocicléa Ferreira, 24 anos e José Leandro da Silva, 35 anos têm um motivo ainda mais especial para comemorar a casa nova. “A gente mora na casa da minha mãe e a expectativa está grande para receber a casa própria, ainda mais agora que estamos esperando um bebê e sem dúvidas vai ser muito mais fácil na nossa casa”, afirmou a estudante Jocicléa. “Moramos em casa emprestada e, agora, vamos morar na casa própria”, completou o técnico agrícola, José Leandro.

VISTORIA

Enquanto os sorteados nos Residenciais Piancó I e II assinam os contratos, os contemplados com as unidades do Piancó III e IV estão vistoriando os imóveis, etapa que antecede a assinatura do contrato e a entrega definitiva das chaves. A vistoria acontece de 18 e 21 de dezembro. Juntos, os residenciais Piancó III e IV totalizam, também, 448 apartamentos localizados no Itaqui-Bacanga.

 

 

Prefeitura combate insegurança alimentar com programas Peixe Solidário e de Aquisição de Alimentos

A aposentada Maria da Graça Araujo, 60 anos, foi uma das que receberam o peixe nesta segunda-feira (11)Com programas sociais de distribuição de alimentos, a Prefeitura de São Luís tem investido em ações de combate à insegurança alimentar. Executadas pela Secretaria Municipal de Segurança Alimentar (Semsa), as ações de programas como o Peixe Solidário e o de Aquisição de Alimentos (PAA) visam o cumprimento da Lei nº 11.346, que criou o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e visa assegurar o direito humano à alimentação adequada. Com o programa Peixe Solidário, por exemplo, mais de 100 toneladas de peixe já foram distribuídas em 2017.

A ação da Prefeitura contribui para o combate à fome e desnutrição de famílias e indivíduos, especialmente daqueles que se encontram em situação de vulnerabilidade social ou em estado de insegurança alimentar e nutricional. O objetivo é promover a melhoria dos padrões de saúde e qualidade de vida, através da distribuição gratuita de alimentos que auxiliam no combate às carências nutricionais da população.

Com a distribuição do peixe, a Prefeitura de São Luís já beneficiou milhares de famílias de mais de 40 bairros da capital. Já foram contemplados bairros como Vila Nova, Fumacê, Gapara, Sá Viana, Jambeiro, Residencial Paraíso, João de Deus, São Raimundo, Vila Cascavel, Anil, Cidade Operária, Liberdade, Cidade Olímpica, Vila Luizão, Coroadinho, Centro, Vicente Fialho, Vila Cruzado, Recanto Fialho, Bequimão, Caratatiua, Bairro de Fátima, Bom Jesus, Turu, Vicente Fialho, Santa Clara, São Francisco, Vila Isabel, São Bernardo, Bacanga, Ipase de Baixo, Pedrinhas, Tibiri, Coroadinho, entre outros.

Na última semana famílias cadastradas pelos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) de bairros como Parque Nice Lobão, Fé em Deus, Gancharia e Alto da Vitória, entre outros, foram beneficiados com a distribuição de peixes. A secretária de Segurança Alimentar, Fatima Ribeiro, explica que o roteiro de distribuição do Peixe Solidário considera índices levantados através do trabalho de monitoramento dos dados socioeconômicos da cidade, realizado em parceria com a Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas).

Fatima Ribeiro enfatiza o esforço da gestão municipal para garantir acesso à alimentação adequada. “O programa Peixe Solidário soma-se a outras iniciativas promovidas pela gestão do prefeito Edivaldo, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), para combate à fome. Além de assegurar o cumprimento da lei, contribuímos para a melhoria da qualidade de vida de milhares de famílias ludovicenses”, diz a titular da Semsa.

“Eu acho que esse é um ótimo programa, pois às vezes a gente não tem condição de comprar o alimento e o peixe é um alimento saudável para alimentar os nossos filhos e netos”, disse a aposentada Maria da Graça Araujo, 60 anos.

A estudante Érica Cristina, 15 anos, levou o pescado para a família

A estudante Érica Cristina, 15 anos, concorda. “Já é a segunda vez que somos beneficiados com o peixe desse programa. Lá em casa moram sete pessoas, então é muito bom porque a gente economiza”, contou.

PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é outra iniciativa implantada pelo prefeito Edivaldo que fortalece as ações de combate à insegurança alimentar em São Luís, além de estimular a produção da agricultura familiar. As cestas do programa são formadas por mais de trinta gêneros alimentícios como frutas, verduras e hortaliças. São produtos hortifrutis da agricultura familiar das regiões de Matinha, Cinturão Verde e Tajipuru.

Com as ações do programa, a Prefietura já atendeu milhares de familias com a distribuição de 520 toneladas de alimento, de 2015 até agora. O PAA conta com a parceria da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), que identifica os beneficiários; e do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), que destina os recursos.