Festival desperta para a preservação de áreas verdes

Conscientizar a população sobre a necessidade de preservação de áreas verdes, estimulação da convivência entre moradores e incentivo à prática de esportes foram os principais objetivos do Festival de Pipas realizado na tarde de sábado, na Cidade Operária. O evento aconteceu ao lado da praça do Viva, em uma área descampada antes tomada por lixo. A iniciativa da prefeitura, por meio da coordenação municipal daquela regional, atraiu dezenas de crianças, jovens e adultos cujo hobby é soltar pipas.
Com apoio da Cemar, que orientou os participantes com relação aos cuidados para a correta prática (as pipas devem ser soltas em locais onde não haja fiação elétrica), o festival marcou a culminância das ações que resultaram na transformação daquele espaço. Segundo Ciro Nolasco, coordenador do evento, a área foi limpa e cercada por pneus, mas antes recebeu um abraço simbólico de 200 crianças.
“Foi o nosso grito de socorro em favor da limpeza deste local, que estava tomado por lixo e servia de depósito de entulho. Queremos que as pessoas observem que aqui é uma área de lazer e evitem inutilizá-la. E isto vale para os carroceiros que trabalham com o transporte de entulho”, frisou Nolasco.
O espaço limpo e cercado tornou-se convidativo para quem aprecia soltar pipas. Adailton Silva, um apaixonado pelo esporte, levou a esposa e a filha. Morador do Parque Timbira, não só pratica como comercializa pipas, que produz em casa com a ajuda da família. “Para mim é muito prazeroso e não me canso. Para vender, fabricamos diversas e de todos os tipos e tamanhos”, disse.
Terapia – Outro apreciador é Ítalo Dovera, que também solta e comercializa os “papagaios”, outro nome usado pelos participantes. Ele possui lojas especializadas na Cidade Operária, Maiobão e no Centro. Categoricamente, Ítalo afirmou que soltar pipas é um vício saudável. “Solto uma atrás da outra e não me canso. Faço isto desde os meus dez anos e já tenho 60. Ou seja, há 50 anos nesta diversão, que para mim é uma terapia e um passatempo dos mais agradáveis”.
Erickson Cardoso, de 21 anos, quase não desviava os olhos. Olhando para cima enquanto direcionava a pipa pela linha, afirmava que adora a diversão. “Moro em um bairro aqui perto e quando soube do festival, não pensei duas vezes. É bom demais!”, disse, enquanto tentava “cortar” uma das dezenas de pipas que eram empinadas.
Ciro Nolasco informou que na área foram plantadas 50 mudas de árvores. Todo o trabalho foi feito pela Superintendência de Limpeza Pública em parceria com o Instituto Municipal da Paisagem Urbana. Agora, é manter o hábito de não sujar, para que os esportistas encontrem um espaço sempre favorável ao lazer. “Estamos fazendo a nossa parte e todos deverão fazer a sua”, concluiu Ciro Nolasco.
Observe algumas dicas:
– Solte apenas em locais afastados da rede elétrica, em campos abertos ou parques
– Nunca use fios metálicos nem papel laminado para confeccionar a pipa. Eles são como condutores de energia e podem causar choques fatais
– Se a pipa ficar presa nos fios elétricos, não tente retirá-las. Nunca use varas nem suba no poste para tirar uma pipa. O choque nestes casos é fatal
– Se a pipa cair em uma árvore que esteja tocando a rede elétrica, é perigoso tentar retirar, pois o movimento dos galhos pode provocar curto-circuito e choques
– Não use cerol. Além do risco de ferir ou mesmo matar, o cerol costuma cortar os fios de alta e baixa tensão. Vale lembrar que, o uso de cerol é proibido e constitui um grande risco para as pessoas. Ele pode provocar acidentes graves com ciclistas e motociclistas
– Linhas metalizadas conduzem energia e aumentam o perigo de choques
– Não jogue objetos na rede de energia elétrica, como arames, correntes e cabos de aço
– Em caso de relâmpagos, recolha a pipa imediatamente. Não solte pipas em dias de chuva ou vento muito forte
– Prefira pipas que não precisem de rabiola
– Não suba em telhados, lajes, postes ou torres para recuperar pipas
– Caso presencie um acidente desse tipo, para separar a vítima do condutor de energia use objetos de borracha ou madeira, evitando os de metal ou que estejam molhados. Lembre-se, o simples ato de tentar puxar uma pipa presa aos fios da rede elétrica pode provocar uma violenta descarga elétrica, capaz de levar à morte
Fonte
  • JORNAL O ESTADO MA

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>