Tributo a um folclorista

Personagem memorável da cultura popular do Maranhão.
O folclorista Leôncio Rodrigues, morto em 2005, aos 81 anos, é alvo de justa homenagem póstuma na forma de registro fonográfico de composições de sua autoria e de outros artistas que com ele mantiveram estreita relação de amizade e musical. Idealizado pelo músico e produtor cultural Fernando Rodrigues, filho do homenageado e líder da Banda Mákina Du Tempo, o CD “Tributo a Leôncio Rodrigues – Toada de Cantador” foi relançado e traz três músicas assinadas por Leôncio, uma delas interpretada por ninguém menos do que a cantora Alcione.

“Rei do Terreiro”, faixa de abertura do CD, é uma toada assinada pelo homenageado e o consagrado compositor maranhense Oberdan Oliveira. Com sua voz potente e inconfundível, a Marron eterniza a canção, que fala do destino que todo cantador de bumba-meu-boi tem de reverenciar São João.   
A parceria se repete na terceira faixa, “Sabiá Mensageiro”, entoada pelo próprio Oberdan. Na 11ª faixa, outra obra de Leôncio Rodrigues, “Cinco Letras”, escrita com o também falecido Humberto de Maracanã, com quem manteve frutífera e inspirada relação de amizade.   
Diversos outros artistas cantam e assinam composições no disco, como Augusto Bastos, Betto Pereira, Erasmo Dibel, Pepete, Rogério Du Maranhão, Salomão Jr., Normando, Josias Sobrinho, João Chiador, Humberto de Maracanã e Chiquinho França.
Trajetória
Leôncio Rodrigues teve, por décadas, ativa participação na cultura popular do Maranhão. Foi dono do Boi Proteção de São João, um boi de promessa, doado no ano de sua morte à igreja do mesmo nome. Entre suas produções destacam-se o CD “Toada de Cantador” e a coletânea “Ilha do Amor”, que reuniu toadas dos sotaques de zabumba, orquestra e de Pindaré, compostas por ícones do folclore local, como Coxinho, Josemar Prazeres, Joubert Queiroz e Manoel Leôncio.              
Destacou-se em várias outras funções e ocupou cargos públicos, como o de secretário municipal de Trânsito. Atuou também como árbitro de futebol e professor de educação física. Foi ainda administrador do Cemitério do Gavião, época em que foi inscrita, no arco de entrada, a seguinte frase, de sua autoria: “Nós fomos o que tu és. Tu serás o que nós somos”.      

Deixar um comentário

HTML tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>